Navalha na Carne; Quando as Máquinas Param

Autor(es): Marcos, Plínio

Editora: Parma


Avise-me


Produto indisponível no momento.

Caso deseje ser informado quando este produto estiver disponível em nosso estoque, digite seu nome e e-mail.

Nome:
Email:

Livro muito raro - ESTADO DE CONSERVAÇÃO: Antigo; Sem rasuras; Excelente. Na segunda capa, há uma marca, como se um adesivo tivesse sido retirado. Há também ali, pequenas manchas verde claro.

A ação se passa em um quarto de bordel e trata do conflito entre três personagens marginalizados: uma prostituta, um cafetão, e um homossexual. Este útlimo maltrata a ambos e, no fim, é intimado pela prostituta Neusa a fazer sexo com ela, ameaçado por uma navalha. Ele se nega e a abandona. Esta disputa contínua de poder entre as personagens, seja através da força física, chantagem, ou da humilhação, retrata o constante domínio que um pretende exercer sobre o outro. 

ISBN: Não consta

Edição/Ano: 3ª edição, 1984

Paginas: 95

Encardenação: Brochura

Comprimento: 20,7 cm.

Largura: 13,7 cm.

Altura: 0,5 cm.

Estreou em setembro de 1967, no Teatro Maria Della Costa, em São Paulo, com Ruthnéia de Moraes, Paulo Villaça e Edgar Gurgel Aranha (substituído depois por Sérgio Mamberti), direção de Jairo Arco e Flexa. E em outubro de 1967, estréia no Teatro Maison, no Rio de Janeiro, com Tônia Carrero, Nélson Xavier e Emiliano Queiroz, direção de Fauzi Arap. O texto foi censurado dela ditadura militar, e só foi novamente encenado cerca de 13 anos depois. Foram feitas ainda duas adaptações da obra para cinema. 

0 Opiniões:

OPINE

Envie uma Opinião

Faltam 120 caracteres Coloque seu nome e e-mail. As críticas sem assinatura não serão publicadas.