Longe Daqui Aqui Mesmo

Autor(es): Bivar, Antônio

Editora: L&PM




Por: R$ 17,90

Os anos 70 são palco da deliciosa prosa de Antônio Bivar em dois livros que contam momentos marcantes de sua vida. "Verdes Vales do Fim do Mundo" é resultado de um diário mantido durante o exílio voluntário do autor em Londres, no ano de 1971, logo após ter recebido o prêmio Molière pela peça "Abre a Janela e Deixa Entrar o Ar Puro e o Sol da Manhã". Bivar, na época um festejado autor teatral, no auge dos seus 30 anos, viaja pela primeira vez à Europa para fugir da censura imposta pelo regime militar brasileiro. Após esse retiro, o autor passa um curto período no país, mas logo retorna a Londres para uma segunda temporada, que resulta em "Longe Daqui Aqui Mesmo", a continuação de suas andanças pela Europa entre 1971 e 1973, que começa justamente onde o outro livro termina. "Verdes Vales do Fim do Mundo" foi publicado na década de 80 pela L&PM e agora ganha reedição. Já "Longe Daqui Aqui Mesmo" – publicado pela Editora Best Seller em 1995 – é agora lançado em formato pocket em uma edição revista pelo autor. Em ambos os livros as memórias do jovem autor têm o tom hippie dos anos 70 – a vida em comunidades, as drogas, a contracultura, os grandes festivais de música e, principalmente, o espírito aventureiro de conhecer o mundo com uma mochila nas costas. Em "Verdes Vales...", o relato de Bivar se concentra nas viagens pela Inglaterra, numa curta estadia em Nova York e Paris e no Ano-Novo passado em Dublin. Sem muito dinheiro, o autor se divide entre a casa de velhos e novos amigos. Variadas histórias relatadas por ele envolvem personalidades conhecidas do meio artístico brasileiro: as reuniões na casa de Gilberto Gil, a companhia de Caetano Veloso, o entusiasmo de Antônio Abujamra, as aventuras no apartamento de Jorge Mautner, entre outros. Durante esse período, nos diversos cômodos que chamou de “lar”, Bivar nunca parou de exercitar a escrita, influenciado principalmente pelo grande amigo e também dramaturgo José Vicente. O autor se dedicou a peças, que depois foram encenadas no Brasil, e escreveu algumas reportagens para se manter no exterior. Mesmo distante, também acompanhou as primeiras críticas à Alzira Power, peça de sua autoria.

"Verdes Vales..." termina quando Bivar está sobrevoando o Atlântico de volta para o Brasil. Já "Longe Daqui..." começa com o autor abrindo as cartas dos amigos que deixou na Europa, uma semana depois de ter voltado. O livro se passa metade em solo brasileiro e metade em solo estrangeiro. A primeira parte reúne os percalços da estréia da peça homônima, "Longe Daqui Aqui Mesmo", e as histórias que envolveram a montagem, desde os problemas com a censura até o trabalho de Odete Lara na produção e Antônio Abujamra na direção. O leitor que já tiver lido "Verdes Vales..." irá se surpreender ainda mais com o relato de Bivar, já que em "Longe Daqui..." ele conta como foi escrever o primeiro livro. Dessa vez, porém, o escritor viaja de ônibus para o Sul, passando por Santa Catarina e pelo Rio Grande do Sul, e visitando os vizinhos Montevidéu e Buenos Aires para só depois seguir viagem para a saudosa Inglaterra, promovendo um reencontro com o passado recente que deixou profundas marcas no autor.

ISBN: 85-2541-5456

Edição/Ano: 2ª edição, 2006

Paginas: 216

Encardenação: Brochura

Comprimento: 17,8 cm.

Largura: 10,1 cm.

Altura: 1,2 cm.

0 Opiniões:

OPINE

Envie uma Opinião

Faltam 120 caracteres Coloque seu nome e e-mail. As críticas sem assinatura não serão publicadas.